Conto de um Garoto de 10 anos

conto-de-um-garoto-de-10-anos

Capa de Conto de Um Garoto de 10 Anos

Certo dia, minha prima mais velha foi passar o dia lá em casa, nessa época, eu ainda não tinha mente poluída e nem reparava no corpo de adolescente que ela possuía, afinal só tinha 10 anos de idade.

Neste dia, minha mãe precisou sair e levou meus irmão junto com ela, não sabia para onde irião, só falou para eu ficar e que era para minha prima tomar conta de mim enquanto eles não estavam. Bom, por mim tudo bem, afinal eu ia poder ficar sozinho em casa, e brincar sem ninguém reclamar. Minha prima não ligava para o que fazia, ela tinha suas próprias preocupações.

Certa hora, ela foi tomar um banho, nossa casa não é muito chique, é de madeira, o chão ringe em algumas partes e as portas não tem fechaduras (com excessão da do quarto do meu pai), típica casa de gente do interior, mas porém, bem arrumada e temos as coisas tudo, geladeira, tv, microondas, etc. Estava e olhar tv na sala, quando minha prima sem eu ver, saiu do banheiro e foi para o quarto se trocar. Nesse momento já tinha me entediado da tv, e foi procurar meu celular para jogar, não achei em meu quarto, então fui olhar no quarto do mano. Quando abri a porta, dei de cara com a bunda da minha prima para cima, ela estava nua no chão procurando um brinco embaixo da cama que havia caído. Eu nunca havia visto uma boceta antes, mas aquela xaninha rosa virada para cima, parecendo dois gomos de bergamota fez meu sangue correr, meu pequeno pênis revidou na hora.

conto de um garoto de 10 anos de quatro - Conto de um Garoto de 10 anos

Quando ela notou algo de erado no quarto e se virou, me viu ali parado só observando-a, rapidamente ela gritou comigo: “PORQUE VOCÊ NÃO DISSE QUE ESTAVA AI!!” e se levantou escondendo suas partes íntimas com a toalha que estava em cima da cama. Ela estava pronta para me chutar para fora e fechar a porta, mas quando ela viu minha calça com um volume extra na frente, não sei o que deu nela, mas a expressão de raiva tinha passado e ela tava com uma cara de surpresa, algo parecido com a cara que eu estava fazendo ao vê-la nua. Após a pausa de 2 segundos que ela fez, me puxou para dentro do quarto e deu uma olhada para fora do quarto e depois fechou a porta.

Ela só olhou para mim e falou, você me acha bonita? Eu estava vermelho de vergonha, mas ela também estava começando a ficar com a cara vermelha, então eu só mexi a cabeça para cima e para baixo. Ela então me perguntou: “Quer me ver pelada?“. Para mim a resposta era óbvia, acho que até mesmo ela sabia que a resposta era óbvia, mas mesmo assim, eu balencei a cabeça novamente. Ela então deixou a toalha cair novamente me mostrando seu corpo de menina de 16 anos, seus peitos eram INCRÍVEIS, redondinhos com uma leve quedinha para baixo. Ela então disse: “Se você não contar para sua mãe, eu brinco com você“. Cara, eu nem gostava muito da minha prima, ela era meio chata, mas dessa vez eu respondi com firmeza: “tá bom”. Ela passou a mão na minha calça, bem onde fica meu pênis, deu uma alizada e segurava firme nele, eu me tremia todo de tesão, e sem perguntar nada, já sai pegando nas tetas dela. Ela se assustou um pouco na hora, mas deu uma risadinha logo em seguida, e como quase na hora, ela disse: “mãma nos peitos da prima, mãma?”. Eu não entendi muito na hora, eu já era grandinho e não mamava mais! Mas estava querendo colocar a boca neles, então não me fiz de loco e coloquei a boca no peito da esquerda enquanto assegurava o da direita, em ambos eu brincava com o mamilo dela, dando leves biliscadas com a mão e mordidinhas com a boca. Ela começou a dar uns gritinhos, como de quem está cansado, sabe? Mas ao mesmo tempo tentava se segurar para não soltar, e começou a se torser, eu não sabia o que estava acontecendo, parece que ela estava sentindo dor ou algo assim, mas ela pegou na minha cabeça com uma mão e com a outra, colocou dentro da minha calça e pegou o meu pintinho. Cara… Aquela cocerinha que eu sentia na ponta do pênis era tão bom, ela mexia nele, para frente e para trás, pegava nas minhas bolas e até mesmo na minha bunda as vezes. Quando tirei a cabeça do peito, queria pegar na bucetinha dela, afinal, era uma parte totalmente misteriosa para mim. Mas ela estava toda molhada, parecia que estava mijando, mesmo assim queria por a mão, então coloquei. Estava quente e pegajoso, aquela bucetinha lisinha e macia, era confortável e por algum motivo me deixava mais excitado ainda, ela estava virando os olhinhos e não largava do meu pau. Começou a dar umas tremidas com as pernas, parecia o vibrador do controle de xbox, meus dedos que estavam ali dentro mexendo começaram a ser prensados, não sei o que estava acontecendo, mas sua bucetinha parecia estar mais apertada, ela começou a se fechar e meus dedos que estavam la dentro estavam sendo prensados, começou a ficar mais melado e já estava pingando, eu não sabia ainda o que era sexo, mas queria colocar meu pinto ali dentro, mesmo com todo aquele líquido. Quando me aproximei para fazer isso, ela deu um leve empurrãnzinho em mim, não sabia o que tinha de errado, mas ela disse: “Chega“, quase sem ar. Não sabia o que tinha feito de errado, acho que fiz algo que ela não gostou, foi quando um barulho de carro chegando fez com que ela me chutasse dali de dentro e em um piscar de olhos ela já estava de roupa. O barrulho de carro era do vizinho só para constar.

Ela saiu do quarto como quem não tinha feito nada, e disse: “não conte nada disso!” Eu tinha gostado daquilo e sabia que não podia contar para niguém, porque nunca ninguém fez aquilo comigo, então eu disse que não ia contar, agradar a ela seria o mínimo que tinha que fazer para sentir aquilo de novo. Ela sentou no sofá da sala e ficou assistindo tv, não sabia o que fazer, e nem o que eu ia fazer antes do que aconteceu, então fiquei meio perdido na hora e depois de alguns segundos me lembrei do celular, então fui até o quarto onde tudo aconteceu e peguei o celular, voltei para meu quarto e fiquei jogando até minha mãe voltar. Quando ela chegou, minha prima foi embora, e eu ficava só pensando quando que aquilo ia acontecer de novo e se algum dia eu ia colocar meu pênis na xaninha dela…

Gostou do Conto? Foi inspirada em um comentário de um de nossos leitores, o Anônimo123. Deixe você também seu conto aqui, se for bem escrito, repassamos direto para o site, senão, faremos uma adaptação se a história for boa.

Deixe aquele comentário que só você pode deixar! Até eu fiquei com tesão desse loco ao escrever. Se tiver muitos comentários, lançamos a CONINUAÇÃO!



Uma ideia sobre “Conto de um Garoto de 10 anos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *